Menú

MUDANÇA NA LEI

Reforma trabalhista: empregado rural perde na Justiça e é condenado a pagar R$ 8,5 mil

Juiz do caso aplicou a nova lei trabalhista, ordenando ao funcionário o pagamento dos custos processuais

Um trabalhador rural de Ilhéus, no sul da Bahia, foi um dos primeiros brasileiros a sentir os efeitos da reforma trabalhista que entrou em vigor no último sábado, dia 11. Cosme Barbosa dos Santos acionou a empresa da qual era empregado judicialmente após ter sido vítima de um assalto pouco antes de sair para a empresa. Como o juiz José Cairo Júnior considerou que houve má-fé por parte do empregado ao querer recompensa financeira por um crime que ocorreu fora do horário de trabalho, a sentença definiu que Cosme deveria pagar à empresa o valor de R$ 8,5 mil para custear a ação.

Caso a decisão fosse assinada na sexta-feira, dia 10, a Justiça não poderia exigir esse pagamento por parte do empregado, como explicou o juiz. "Ao contrário do que ocorre com as normas de Direito material, as leis processuais produzem efeitos imediatos. (...) A nova norma passa a ser aplicada nos processos em andamento e não somente aqueles que se iniciarem a partir da vigência da nova lei, de acordo com a teoria do isolamento dos atos processuais”, disse o magistrado em sua decisão.

Pelo entender do juiz, pessoas que estão com processos em andamento poderão se enquadrar na nova lei e pagar pelos gastos processuais.

O processo

O trabalhador rural pedia em sua ação judicial reparação por danos morais por ter sido assaltado na própria casa. No entender do Justiça, a empresa não tem responsabilidade pelo ocorrido, já que o crime não foi praticado durante o horário de trabalho e nem no percurso entre a empresa e a residência do trabalhador. “ A atividade econômica desenvolvida pelo reclamado (agropecuária) não implica risco acentuado de assaltos. Por conta disso, não há que se falar em aplicação da responsabilidade objetiva”, concluiu o juiz.

O funcionário foi condenado a pagar R$ 1 mil pelos custos do próprio pedido; R$ 5 mil pelos gastos com honorários dos advogados da empresa e R$ 2,5 mil por suposta conduta de má-fé. Ele ainda pode recorrer da decisão.

Nome:

Email:

Deixe um comentário:

Escreva os números da imagem:

últimas notícias

Previsão para hoje -


▲ Máx
▼ Min




Confira a previsão dos próximos dias

Fonte: Somar Meteorologia